E-SPORTS NEWS REFLEXÕES AFK

Gamers possuem distúrbios sim

          Se você joga e está lendo isso, provavelmente já deve ter vários argumentos contrários à patologização do ato de jogar, não é mesmo? Bem, o assunto aqui é outro. Todos nós gamers entendemos que nem todo mundo que joga é doente e que classificar o ato de jogar como doença pode fazer com que as pessoas achem que qualquer indivíduo que joga tenha algum tipo de distúrbio. Sim,  é uma consequência que devem ser considerada, então por isso o assunto em si deve ser muito bem estudado, divulgado e esclarecido para a população em geral.

            Claro que é uma situação complicada. Imagine por um segundo que você é uma pessoa que nunca teve contato com um jogo eletrônico e tudo o que você sabe é que seu filho fica trancado no quarto o dia todo, falando palavrões na frente de uma tela, parecendo estressado. Você não sabe que ele está interagindo (e xingando) com outros indivíduos, você não sabe que ele está estressado porque perdeu o jogo (aquela ranqueada), e quando você liga sua TV (sua fonte de informação), vê em um programa que o vício em jogos agora é oficialmente um distúrbio. O que você pensaria? “Meu filho é doente, vou tirar o computador/videogame dele, vou levar para tratamento, etc”. Não é mesmo? Sim, isso tudo é real, mas vamos falar disso em outra oportunidade, agora vamos voltar ao objetivo dessa reflexão.

            Agora vamos olhar pelo outro lado. Você deve conhecer alguém que perdeu o emprego, o ano, o semestre, a namorada, e até a vida por conta de Jogo não é? Sabia que um jovem morreu de exaustão após 19 horas jogando World of Warcraft? Morreu também de exaustão e desidratação outro jovem que jogava StarCraft, e este já havia perdido o emprego e a namorada. Se você está pensando “ah, são jogos mais hardcore”, fique sabendo que uma mãe matou seu filho pequeno porque o choro dele estava atrapalhando sua jogatina no famoso FarmVille. Esses são apenas alguns dos casos de pessoas que destruíram suas vidas também por conta de Jogos, mas o ponto central da questão é: nem todo Gamer tem distúrbios psicológicos/mentais, porém, alguns tem sim. E esse tipo de classificação e tratamento mencionado pela Organização Mundial de Saúde recentemente são exatamente para esse tipo de pessoas. Se você não deixa o jogo atrapalhar outras esferas da sua vida, se você consegue sair com os amigos, interagir com outras pessoas, se relacionar, trabalhar, estudar, etc, esses tratamentos e classificações não são para você.

            Porém vamos lembrar que pessoas com problemas podem se refugiar em jogos, se isolar, e elas precisam de ajuda, podem ser perigosas pra si mesmas e até para os outros (me lembrem de contar sobre a jogadora que mapeou minha localização e ameaçou a mim e a diversos outros players).

            E então, conhecem algum caso que poderia ser considerado doença? Contem pra gente.



Curta a página da Paradoxal News no Facebook: Paradoxal News


Inscreva-se para receber nossa newsletter e fique por dentro de tudo que rola no universo gamer.



Anúncios

um comentário

  1. Concordo demais. Não sou especialista, mas acho que a maioria das pessoas que dedicam uma boa quantia de horas semanais para o jogo possuem problemas psicológicos/depressão, das mais variadas formas, e eu me incluo nisso. Seja a dificuldade de socializar, falta de confiança, não gostar de sair da sua zona de conforto.
    Conheço muita gente (homem e mulher) no dota que tem muita dificuldade de tocar um projeto pessoal (faculdade, emprego, negócio próprio que o pai deu pra ver se ele larga a porra do jogo e faz alguma coisa da vida) porque prefere se isolar no universo do jogo, e que desconta os problemas do dia-a-dia dentro do jogo (aquele famoso rage do nada). Eu já passei por isso, a época que eu mais subi de rank foi a época que eu mais ganhei peso, mais me afastei dos amigos, menos namorei e mais tive problemas de saúde.
    Acho que a pessoa tem que ter bastante maturidade pra identificar o momento em que o jogo está deixando de ser um hobbie para ser uma ferramenta de escape do mundo real e de suas responsabilidades. Porque na boa, quando chega nesse ponto, qual a diferença do gamer pro alcoólatra ou o drogado? Se você está lendo isso e se identificando com esse perfil, mano, procura uma psicoterapia, você está precisando conversar com alguém que não vai te julgar.