ESPORTS NEWS

15 coisas que queremos ver em GTA 6!

Neste ano de 2021, o aclamadíssimo GTA 5 completará 8 anos de idade, tendo atravessado as três últimas gerações de consoles com números estratosféricos de vendas. E como estamos há muito tempo sem um novo game da franquia de maior sucesso da Rockstar Games, seus fanáticos fãs aguardam ansiosamente pelo anúncio oficial de uma sequência, que pela lógica dos últimos lançamentos, deve se chamar GTA 6.

Mas enquanto esse anúncio não vem, só nos resta especular e torcer para que o próximo capítulo da série traga determinados elementos que sua imensa comunidade espera ver. E foi exatamente observando os inúmeros pedidos e sugestões dos fãs mais apaixonados (incluindo nós mesmos, é claro!) que decidimos montar uma lista com as 12 coisas que mais queremos ver em GTA6!

Protagonista feminina

O primeiro game da franquia GTA foi lançado em 1997 e desde então 11 títulos já foram disponibilizados pela Rockstar Games, incluindo nessa conta os jogos exclusivos para dispositivos portáteis, como Gameboy, PSP e Nintendo DS. Mas mesmo com 24 anos de estrada e tantos títulos na bagagem, infelizmente a série nunca contou com uma protagonista do sexo feminino em suas histórias.

E como atualmente as grandes empresas do ramo do entretenimento tem demonstrado algum esforço em prol das questões que envolvem representatividade, seria um momento perfeito para que uma das mais aclamadas e conhecidas franquias do universo gamer estampasse uma mulher poderosa em sua capa e nos permitisse chutar bundas (e roubar carros) com ela sob o comando da trama.

Cidade fictícia na América do Sul

Quem acompanha GTA desde seus primeiros títulos, já está careca de saber que, apesar das cidades presentes nos jogos serem fictícias, elas são claramente inspiradas em localizações do mundo real, como Nova Iorque, São Francisco, Miami, Los Angeles e Las Vegas, por exemplo. E como vocês já devem ter percebido, todas essas cidades citadas ficam nos Estados Unidos, ou seja, o mundo de GTA é quase que uma reprodução fictícia de uma parte da terra do Tio Sam.

E já que GTA 6 pode revolucionar a franquia apresentando sua primeira protagonista feminina, por que não sair de vez da mesmice e trocar também de ares, com uma trama se passando numa representação de solo sul-americano? Não é nada difícil de imaginar, por exemplo, GTA num Rio de Janeiro fictício, com belas praias e paisagens naturais, contando, é claro, com seu velho contraste entre o luxo da zona sul e a pobreza das favelas e subúrbios. E convenhamos que não faltariam fatos históricos relacionados a facções criminosas e grupos de milícia para se usar como base no enredo do jogo.

Maior controle sobre a história na Campanha

Nos últimos anos, temos visto grandes franquias de jogos de ação adotando elementos de RPG em sua gameplay, como são os casos, por exemplo, de Assassin’s Creed e God of War. Mas diferente das séries citadas, que incorporaram basicamente sistemas de progressão e itemização para deixar a jogabilidade mais complexa e menos repetitiva, o recurso de RPG que queremos para GTA é a possibilidade de se fazer determinadas escolhas e ter um maior controle sobre o andamento da trama central.

Poder escolher o que fazer e mudar o rumo da história seria algo que aumentaria consideravelmente a imersão por parte do jogador, fazendo-o sentir como estivesse mesmo na pele do personagem e vivendo naquele universo. Imagine só poder escolher com quais criminosos se aliar, ou mesmo criar seu próprio império criminoso! Ou quem sabe até colaborar com a polícia e trabalhar disfarçado para botar a bandidagem toda na cadeia! Seria incrível, não?

Veículos licenciados

É praticamente impossível pensar em GTA e não lembrar quase que na mesma hora dos carros da franquia, já que o ato de roubá-los encontra-se literalmente no nome da série. Então não é exagero nenhum afirmar que os automóveis representam a essência do jogo, sendo sua dirigibilidade um dos pontos centrais deste universo criado pela Rockstar Games. Inclusive, muitos afirmam que controlar um carro em GTA é uma experiência melhor e mais agradável do que vemos em muitos jogos de corrida por aí.

Então, já que os veículos fazem parte da alma da franquia, bem que sua desenvolvedora poderia se esforçar um pouquinho para levar modelos de carros que existem no mundo real ao mundo virtual de GTA. Sabemos que não é algo tão simples, pois envolve questões de licença e provavelmente demandaria investimentos e parcerias com grandes empresas do ramo automotivo. Mas seria extremamente prazeroso poder fazer missões e trocar tiros com a polícia enquanto se dirige um gol bolinha preto igual ao que a gente tem na garagem!

DLC para o modo campanha

A ausência de conteúdo adicional (DLC) voltado para o modo campanha de GTA 5 foi motivo de frustração para grande parte dos fãs da franquia. E a razão de todo esse descontentamento está no fato de que seu antecessor, GTA 4, recebeu não apenas uma, mas duas excelentes expansões que se tornaram sucesso absoluto de público e crítica, sendo elas “The Lost and Damned” e “The Ballad of Gay Tony”.

Inclusive, não é difícil você ouvir por aí jogadores afirmando que as duas DLCs de GTA 4 são melhores até mesmo do que o próprio jogo original. Por isso, a comunidade gamer esperou ávida durante anos por pelo menos uma DLC single player para GTA 5. Mas sem obter sucesso, já que claramente a Rockstar ficou mais focada em aumentar o conteúdo online de seu jogo. Dessa forma, esperamos que o próximo game da franquia ganhe novas tramas e missões no decorrer do tempo, fazendo com que os lobos solitários, que preferem jogar sozinhos, também tenham motivos para voltar à vida criminosa virtual.

Modo cooperativo online para a campanha

Não é novidade pra ninguém que o modo online de GTA 5 é um sucesso absoluto, contando com inúmeros servidores dedicados que possuem temas e sistema de progressão para agradar seus milhares de jogadores fiéis. Quem já jogou (ou joga) em algum RP sabe muito bem do que estamos falando. Sendo assim, é mais do que justo que GTA 6 tenha um modo online semelhante ao do seu antecessor, visando manter ativa toda essa comunidade já viciada.

Porém, apesar de sabermos que é possível fazer as missões da campanha com a presença de amigos no modo online, não há um modo pensado especificamente para essa situação, já que o jogo não foi feito para jogar a campanha solo. Sendo assim, seria muito interessante se o próximo game da franquia possibilitasse jogar a campanha principal com 2 ou 3 amigos online com um modo próprio pra isso. Sabemos também que isso dificultaria bastante a questão de tomadas de decisão no jogo, algo sugerido por nós anteriormente. Mas aí já não é mais problema nosso, né? Dá seu jeito, Rockstar!

Ambiente destrutível

Um dos motivos que levam os fãs de GTA a amarem o jogo está relacionado à artilharia pesada presente na franquia. Afinal, é muito mais fácil criar um verdadeiro caos na cidade quando se tem fuzis, granadas e até lança foguetes para jogar tudo pelos ares. Porém, esse “tudo” ao qual nos referimos se resume basicamente a veículos, pessoas e alguns objetos, como postes, hidrantes, mesas de restaurantes e por aí vai.

Apesar de sabermos que um mundo totalmente destrutível seria inviável em GTA pela quantidade de construções contidas num mapa gigantesco, além da presença de determinados lugares que precisam estar de pé para que o jogo possa ter sequência, seria muito interessante se ao menos uma boa parte do cenário pudesse ser destruída para dar um toque mais realista ao game, até mesmo aproveitando os recursos técnicos mais avançados de uma nova geração de consoles que acabou de chegar.

Jogar como um policial

Como falamos anteriormente, nós sabemos que assumir o papel de um ladrão faz parte da essência de GTA, pois é algo que está enraizado em seu título. Mas já que a Rockstar Games introduziu um sistema de múltiplos protagonistas em seu último jogo da franquia, e isso pode ser algo que chegou para ficar, seria incrível se um desses personagens fosse um membro da força policial da cidade em GTA 6.

Observar tudo o que acontece na região sob um ângulo diferente tornaria tudo ainda mais interessante, sem falar que traria novos recursos de jogabilidade à série, como a possibilidade de imobilizar suspeitos, algemá-los e ainda chamar reforços para lidar com situações mais extremas. Mas se assumir o papel de um “mocinho” não for algo que esteja nos planos da desenvolvedora por fugir demais do conceito principal da franquia, nada impede que este representante da lei seja corrupto, ou até mesmo membro de um grupo de milícia. Já pensou?

Lutas corporais mais complexas e realistas

Nem precisamos dizer que os títulos da série GTA são conhecidos por levarem seus recursos de jogabilidade à um nível muito próximo da perfeição. Os simples atos de trocar tiros e dirigir um carro são extremamente prazerosos, com comandos que respondem infinitamente melhor do que vários jogos dos gêneros de ação e corrida. Porém, infelizmente o mesmo não pode ser dito quando o assunto é luta corporal.

Na verdade, a sensação que temos é a de que a franquia está regredindo neste aspecto, já que títulos como GTA: San Andreas e GTA 4 possuem um nível de complexidade superior em relação ao game mais recente da série. Sendo assim, nós queremos um combate mano a mano mais bem desenvolvido, com a possibilidade de se aprender novos golpes sob um sistema de defesa e contra-ataque, levando algo que a franquia já teve anteriormente à um patamar ainda mais alto.

Maior exploração no interior de ambientes

Você já deve ter percebido a essa altura que nós aqui tentamos ser justos e coerentes, na medida do possível, ao darmos nossas sugestões. Então é claro que não seríamos loucos de pedir à Rockstar que nos permita entrar e explorar toda e qualquer construção em GTA 6, o que incluiria prédios e casas em sua totalidade.

Levando-se em conta o tamanho do mapa dos jogos da série, um pedido desse tipo chegaria a beirar o absurdo. Porém, não seria nada absurdo pedir que aumentassem um pouco o número de ambientes fechados exploráveis, incluindo departamentos de polícia, hospitais, alguns escritórios e fábricas de grandes empresas. E por que não alguns prédios também, já que pedir é de graça, não é mesmo? Seria bem interessante poder morar num apartamento, por exemplo, já que sonhar também não custa nada!

Mais atividades extras

Pedir mais atividades extras em GTA pode parecer um tanto quanto injusto, já que se trata de uma franquia que nos deixa fazer muito mais além das missões principais do que qualquer outra. Mas a verdade é que, assim como falamos sobre a questão dos combates corpo-a-corpo, dá pra dizer que a série regrediu um pouco nesse sentido quando olhamos para o GTA 5.

Para ajudar a entender o que estamos dizendo, vale lembrar que em GTA 4 era possível ter encontros, ir pra night e participar de vários outros eventos e mini-games. E o mesmo dá pra dizer sobre GTA: San Andreas, que nos permitia lançar um bom lanche em fast-foods e depois malhar numa academia para perder os quilinhos extras ou até mesmo crescer e virar um “bombadão”. Sendo assim, queremos muito o retorno desses (e outros) eventos e atividades extras que ficaram perdidos nos títulos anteriores da franquia.

Maior interação com pedestres/NPCs

Da mesma forma que não é possível pedir que possamos entrar em todas as casas ou destruir todas as construções da cidade, sabemos que é correto afirmar que não tem como sugerir um sistema de interação com todo e qualquer cidadão presente no mapa do jogo. Afinal, diferente de jogos como Skyrim, o mundo de GTA conta com uma quantidade gigantesca de NPCs.

Mas bem que GTA 6 poderia ter um bom número de personagens chave para interação mais complexa, possibilitando que pudéssemos fazer amizades, dar um namorico ou até mesmo conseguir alguns favores e missões extras. Afinal, se o que ajuda a manter GTA 5 vivo até hoje é a possibilidade de se elaborar “Role Plays” dentro do jogo, por que não introduzir mais elementos desse tipo em sua campanha?

Volta dos territórios de gangues

Quem não se lembra dos icônicos territórios de gangues do GTA: San Andreas e como era possível expandir a sua facção por toda a sua cidade com um sistema simples, porém muito divertido e bem feito?

Agora imaginem um sistema que explora todo o hardware de processamento da nova geração, fazendo com que cada território de uma gangue apresente um mini game com bastante tiros e destruição! Seria sensacional, além de dar muito mais vida para a cidade e um propósito maior para o seu personagem.

Customização de casas e apartamentos

Dá uma satisfação enorme poder comprar sua casa ou mansão no jogo, certo? E acredito que também compartilha nosso desejo de poder modificar seu doce lar e decorá-lo à sua própria maneira. Seria perfeito, não?

Imagine comprar uma casa vazia e poder comprar moveis, acessórios, adicionar andares inteiros, piscina e até um terraço! Tudo para construir a casa que te representa. Seria um avanço sem precedentes na série.

Mais (e melhor) interação com ambientes subaquáticos

Uma imensa parte do mapa do GTA 5 é composta por mar, mas tirando a região praiana, o resto é basicamente um deserto azul, certo? Então seria interessante se adicionassem mais atividades subaquáticas, além de melhorar a movimentação travada do personagem quando está na água.

Além de aumentar consideravelmente a área de atividades, daria uma outra cara para o jogo.


E aí, gostou das sugestões? Sentiu que tá faltando alguma coisa? Então interaja conosco através dos comentários!



Quer desenvolver o hábito da leitura mas não quer largar os games? Trouxemos um vídeo que fala dos 7 livros de jogos que você pode começar a ler e ainda entender um pouco mais sobre o seu universo favorito!





Inscreva-se para receber nossa newsletter e fique por dentro de tudo que rola no universo gamer.



%d blogueiros gostam disto: